Educação nutricional e mudança de hábitos

Imagine a seguinte situação: você sente uma dor no peito e vai ao médico porque quer saber o que está acontecendo. O médico dá seu diagnóstico e diz que você precisa melhorar sua alimentação. Então você procura uma nutricionista, pois precisa de ajuda.

Depois de conversar e avaliar, viu-se que é preciso perder peso, e a nutricionista diz que você precisa comer mais de alguns alimentos, menos de outros, cortar a batata frita, diminuir os doces e as cervejas.

Agora me responda: o quanto isso impactaria na sua vida? Seria fácil ou difícil?

mudança de hábitos alimentares

A empolgação dos primeiros dias torna tudo sempre mais fácil. Mas e quando essa empolgação passa? O que fazer? Ler os rótulos dos alimentos, textos na internet, escutar os amigos?

Todas essas informações fazem parte da educação, embora algumas informações apresentadas possam estar incorretas. É preciso filtrar, pois nem sempre o que é bom para você, é bom para o seu amigo. Entende?

Mas a educação vai muito além da informação. E quando falamos em educação nutricional, em mudar a alimentação, precisamos pensar nos sentimentos e desejos. Quem precisa mudar sua alimentação precisará conter seus impulsos ao comer algo que goste por exemplo, precisará reprimir seus desejos de tomar uma cerveja com os amigos no sábado a noite. Terá que aprender a lidar com questões emocionais muito profundas e enraizadas em seus hábitos.

mudança de hábitos alimentares na infância

Nossos hábitos alimentares começam a se formar nos primeiros anos de vida e, a medida que vamos crescendo e aumentando nosso círculo social, nossos hábitos vão mudando. E, assim, vamos adicionando novos hábitos à nossa vida, alguns não tão bons, no entanto, são hábitos que adquirimos ao longo da vida.

Um bom exemplo são as pessoas que comiam carne e decidiram tornar-se vegetarianas. Conseguiram mudar, porque mudaram sua filosofia de vida. Quando a forma de pensar a vida se modifica, então o hábito, seja alimentar ou não, também se modifica. E isto se aplica para qualquer pessoa. Quando a forma de pensar se modifica, os hábitos e, consequentemente, a vida, também se modificam.

Mas como fazer isso? Como fazer essa mudança de hábitos?

Trabalhando com a conscientização. Conscientizar não é impor nossas ideias a outras pessoas. Conscientizar é mostrar o por que de cada coisa, é promover o alcance dos fatos, é ter ciência das repercussões que cada ato nosso pode desencadear. Só assim teremos uma educação nutricional de qualidade, quando as pessoas sabem o que precisam fazer, porque entenderam os motivos de fazer isso. Porque elas aprenderam.

Continuaremos a falar sobre educação e saúde nos próximos textos. Sigam acompanhando!

Participe da nossa Lista VIP para receber nossos informativos, bônus e materiais complementares.